11 de agosto de 2014


 
102.
 
 
sob a escrita torta
em língua morta
da caatinga, aguarda o grão
a revelação
 
 
 
 
 
 


Postar um comentário